Aracati, Ceará – Brasil

AracatiAracati é um município brasileiro do estado do Ceará. É conhecido internacionalmente pela praia de Canoa Quebrada. Teve o núcleo urbano sede do município tombado em 2000 pelo IPHAN como patrimônio Nacional. É a terra do romancista Adolfo Caminha, do abolicionista Dragão do Mar e do ator Emiliano Queiroz.

Etimologia

O topônimo Aracaty ou Aracatu vem do Tupi Guarani, língua falada pelos ameríndios brasileiros antes da chegada dos portugueses, ARA (tempo, claridade ) e CATU (bom, bonançoso ), significando bons tempos, uma região que impressionava pela claridade e mansidão de suas águas, aragem cheirosa, vento que cheira ou rajada forte. Sua denominação original era Cruz das Almas, Arraial de São José dos Barcos do Porto dos Barcos do Jaguaribe,, depois em 1766, Santa Cruz de Aracati e desde 1842 Aracati,.

História

Os primeiros habitantes das terras de Aracati, os índios Potyguara, provavelmente teriam entrado em contato com os europeus em 2 de fevereiro de 1500, através navegador espanhol Vicente Yáñez Pinzón, que aportara no local denominado Ponta Grossa ou Jabarana, segundo o historiador Tomás Pompeu de Sousa Brasil.

Pero Coelho de Souza, durante a expedição contra os franceses que haviam invadido o Maranhão, ergueu a 10 de agosto de 1603, às margens do rio Jaguaribe, o Fortim de São Lourenço, e a sua permanência deu a origem do povoado, São José do Porto dos Barcos.

Aracati tornou-se um ponto de apoio militar e várias edificações são construídas: Bateria do Retiro Grande, Presídio da Ponta Grossa, Presídio de Coroa Quebrada, Presídio do Morro de Massaió e outras.

A ocupação definitiva de Aracati teve início com o funcionamento das Oficinas ou Chaqueadas do Ceará, que foram responsáveis por possibilitar a competitividade da pecuária no estado, tendo em vista os privilégios da Zona da Mata pernambucana com a cultura canavieira. Aracati transformou-se então em produtor de carne seca e no principal porto de exportação deste produto para as regiões canavieiras, além de continuar a ser um ponto de apoio militar (Fortim de Aracati), agora com o intuito de proteger o porto, as transações comerciais e os habitantes contra os ataques do índios como os Payacu.

A possibilidade de abate e conservação da carne, através do charque, foi a principal responsável pela ocupação e desenvolvimento das terras do Ceará. Por volta de 1740 já existiam Oficinas em Aracati, inicialmente no pequeno Arraial de São José dos Barcos do Porto dos Barcos do Jaguaribe, depois elevada à categoria de Vila com o nome de Santa Cruz do Aracati, hoje cidade do Aracati.O comércio de carne e couro atraía abastados senhores de locais diversos, Aracati manteve-se por longo tempo como localidade de maior influência de formação econômica, social e política do povo cearense.

Com o crescimento do povoado, no local em 1714 foi erguida uma capela, e em 1743 foi instalado um juizo e tabelião local.

Já no fins do século XVIII Aracati se transformara, juntamente com as vilas de São Bernardo das Russas e Icó, na praça de negócios mais desenvolvida do Ceará.

Em 10 de fevereiro de 1748 foi elevada a categoria de vila (ato oficial), no mesmo ano foi erguido um pelourinho e empossada a Câmara.

Em 1770, foram erguidas a Casa da Câmara e a Cadeia, na rua do Comércio, antiga rua das Flores.

Em 1779, Aracati contava com cerca de 2 mil pessoas, cinco ruas e muitos sobrados e mais de setenta lojas.

Em 1829, foi apresentada na Assembleia Geral do Ceará uma proposta que pretendia transferir a sede do Governo da Capitania para a Vila de Aracati, mas foi rejeitada.

Em 25 de outubro de 1842, a Vila foi elevada a condição de cidade, pela Lei Provincial 244.

Em 1824, durante a Confederação do Equador, a vila de Aracati tornou-se palco de um dos acontecimentos marcantes da história do Nordeste Brasileiro: Tristão Gonçalves de Alencar Araripe chefiou tropas rebeldes que atacaram e arruinaram a localidade, permanecendo no local por uma semana. Aracati sofreu com as inundações do rio Jaguaribe, hoje controladas com a construção de um dique.

Foi reconstruída ao lado direito e de costas para o rio Jaguaribe para que os ventos levassem para longe os odores dos locais de abate do gado, esta conformação urbana permanece até os dias de hoje, resultando em uma falta de integração da cidade com o rio responsável por seu surgimento.

Patrimônio:
O conjunto arquitetônico do Aracati passou a ser considerado Patrimônio Nacional em abril de 2000 sendo tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN. A beleza de suas ruas, casas e sobrados marcam sua importância histórica e artística. Suas construções datam dos séculos XVIII, época do Ciclo do Gado; século XIX ciclo comercial e do algodão, e século XX, ciclo industrial.

Alguns Monumentos Históricos:

1. Cruz das Almas (1748): Espaço urbano mais antigo da cidade. Diz a tradição popular que o mesmo está edificado no lugar onde foram enforcados os primeiros escravos condenados á morte. Em tempos mais recuados nas segundas-feiras, dia das almas, o povo costumava ir rezar terços, fazer novenas e romarias ao monumento. Essas noites eram iluminadas com lanternas multicores e velas dos devotos pagadores de promessas.

2. Igreja N. Senhor do Bonfim (1774): Edificada em 1772, por Pedro Ferreira de Almeida, inaugurada em 1774, por Manuel da Fonseca vigário de Russas. É de grande importância para a cidade, pois é lá que se comemora a cada 1º de janeiro a festa do Senhor do Bonfim, um dos maiores eventos religiosos do município. Sua arquitetura barroca leva uma pintura de azul e branco dando um contraste perfeito. Atrás da Igreja encontra-se o cemitério da Irmandade do Bonfim, o local que durante muito tempo foi reservado às pessoas de grande poder aquisitivo e que pagavam altos preços para serem enterrados dentro das igrejas. Os túmulos foram construídos em mármore da qualidade carrara.

3. Casa de Beni de Carvalho: Ou de Benedito Augusto de Carvalho dos Santos nasceu em Aracati a 03 de janeiro de 1.886. Esse aracatiense bacharelou-se em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito de Recife, sendo depois professor catedrático mediante concurso público da Faculdade de Direito do Ceará. Em 1.920 foi nomeado professor do Colégio Militar do Ceará, transferido depois para o Rio de Janeiro. No magistério militar atingiu o generalato. Foi vice-presidente do Estado do Ceará, deputado federal e interventor federal em 1.945-1.946. Foi ainda membro do Conselho Nacional de Educação e pertenceu a Academia Cearense de Letras. Publico: “Causas dirimentes e flagrante delito – 1.917; Morfologia e Sintaxe do Substantivo Português – 1.920 (Tese de concurso); Le droit et la sociologie – 1.920; Na casa de Tiradentes – 1.931”; e outros. Entre suas poesias, “Protofonia do Jaguaribe” destaca-se pelo colorido e presente do espírito desse aracatiense.

4. Casa de Jacques Klein: Nasceu este ilustre músico, em 10 de julho de 1.930 em Aracati e faleceu no Rio de Janeiro, vitimado de câncer em 28 de outubro de 1.982. Dotado de um fantástico ouvido musical, até cerca de 18 anos de idade dedicou-se ao jazz, tendo feito algumas gravações em discos de 78 rpm. Chegou a tocar jazz em Nova York para o legendário Art Tatum, que ficou impressionado com o jovem brasileiro, tendo o fato sido registrado na imprensa daquela cidade. Críticos de Viena o compararam a Hirowitz e a Rubinstein.

5. Casa de Adolfo Caminha: Nascido em Aracati no dia 29 de maio de 1.867. Viveu um grande amor que o levou a perder sua carreira militar e seguiu sua vida para a literatura. Escreveu o romance “a normalista” em 1.893, no Rio de Janeiro, que o fez conhecido nacionalmente e considerado até hoje o maior romancista naturalista do Brasil. Morreu tuberculoso em 1.897, deixando obras como “O Bom Crioulo”, em 1.895 e “A Tentação”, em 1.896. Foi enterrada no jardim da Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos.

6. Sobrado do Barão de Aracati: Construído no século XIX e pertencia a José Pereira da Graça personagem de lutas políticas e deputado provincial por varias vezes. Ocupado pelo Instituto do Museu Jaguaribano fundado em 15 de novembro de 1968. Possui grande acervo histórico, religioso e literário. Conta com peças de arte popular, imaginária das igrejas locais e exposição de fotografias. Esta mansão de três pavimentos é uma das principais peças urbanas do patrimônio histórico e cultural da região Jaguaribana.

7. Casa sede da Confederação do Equador: Casa que serviu de sede do governo da Confederação do Equador no Ceará em outubro de 1.824. A vila do Aracati foi atacada e tomada pelas tropas revolucionárias, chefiadas por Tristão Gonçalves de Alencar Araripe e outros companheiros como: Miguel Pereira, Luis Inácio de Azevedo Balão e outros. Os invasores abandonaram a vila em 23 do mesmo mês, levando o produto do saque: animais, dinheiro e mantimentos. A Confederação do Equador foi um movimento político contra a monarquia.

8. Casa da Câmara e Cadeia (1779): Segue os moldes tradicionais das casas de câmara e cadeia no Brasil. A 13 de abril de 1.740 “foi resolvido mandar-se fazer ou comprar um prédio que servisse de câmara, audiência, cadeia…”. Esta resolução só teve efeito em 1.779 quando foi iniciada a construção da câmara. Originalmente funcionava a cadeia pública na parte térrea e a câmara no pavimento superior. Em 1812 o Governador da província Luiz Barba Alardo, em suas “Memórias da Capitania do Ceará Grande” revela que a Casa de Cadeia e Câmara é a melhor da Capitania e mais asseiada e mobiliada. Em 1.960 o prédio foi restaurado pelo IPHAN. Até o ano de 1988 podia-se ver os presos em suas celas que davam de frente para rua Cel. Alexanzito, esta era a forma de fazer com que estes se envergonhassem do delito que haviam cometido e a população os conhecesse. Somente após este ano é que foi construído um novo presídio para cidade e a cadeia deixou de ter sua funcionalidade carcerária. Atualmente ainda funciona a Câmara dos Vereadores de Aracati na parte superior e na parte inferior está instalada a biblioteca do patrimônio e o SINE/IDT.

9. Casa do Monsenhor Bruno: Monsenhor Bruno Rodrigues da Silva Figueiredo nasceu em Aracati no dia 06 de outubro de 1.852. Ainda aluno ensinou no seminário de Fortaleza onde se ordenou no dia 30 de novembro de 1.875. Dirigiu o “ateneu” cearense, “liceu” e o “instituto de humanidades”. Foi homenageado tendo seu nome em uma das ruas de Fortaleza. Publicou Oração Fúnebre por ocasião das exéquias do Papa Leão XIII. Foi vigário de Maranguape e pároco de Aracati até o fim de seus dias, falecendo em 29 de setembro de 1.930.

10. Oratório Bom Jesus dos Navegantes: É uma capela dedicada ao Senhor Bom Jesus dos Navegantes é hoje, conhecida por nicho. Este templo foi o primeiro de Aracati, a ser construído. Danificado por um incêndio, foi reconstruído em 1907. Em documento registrado pelo escrivão José Gomes de Melo, pode-se verificar que: “aos seis dias do mês de novembro de 1801 nesta vila… pelo qual requeria ao dito almotacé lhe demarcasse duas braças de terra para nela eregir um oratório, para nele colocar a imagem do Senhor Bom Jesus dos Navegantes…”. Mais uma vez foi restaurado em 1979, pelo Lions Clube de Aracati. Está localizado na Trav. Dragão do Mar com a rua Cel. Alexandrino.

11. Igreja Matriz Nossa Senhora do Rosário: É uma construção dos primeiros anos do século XVIII, concluída na segunda metade do século XIX. Segundo o livro da Irmandade do Santíssimo Sacramento, uma capela deu origem à igreja. Era coberta de palha, tinha a fachada de tijolos e as paredes laterais de taipa. Em sua estrutura física encontra-se uma porta central ladeada por duas outras entalhadas a ponta de faca e com almofadas em relevo. Na fachada pode-se observar os sinos, o relógio carrilhão e o registro da data de sua edificação escrita em romanos o ano de 1785. Seu interior é rico em obras de talha e imagens dignas de apreciação. Á sua frente se localiza o grande cruzeiro, com os símbolos dos sofrimentos da paixão: (dados, mão, galo e a caneca de fel), tendo cada um seu significado e com escritos destacados em uma placa indicando que foram ‘’colocados por Rufina (sem sobrenome), senhora de José Ferreira da Silva, em 1.859’’. Em 1.981, houve a reedificação do cruzeiro, pelo mesmo modelo de 1.871, sendo o seu pedestal reconcebido pelo modelo de 1.821, permanecendo nele a forma típica ovalada, do barroco. Proprietário: Diocese de Limoeiro do Norte; uso atual: culto religioso; bem tombado em âmbito federal: processo nº 550-T-56, Livro do Tombo Histórico, inscrição nº 321. Ao lado da Igreja Matriz encontra-se o túmulo do Médico Cristóvão Mallet um médico inglês que prestou grandes serviços à comunidade de Aracati. Sua atuação se deu no período de uma grande epidemia de febre amarela, que atingia a população da cidade, quando, com seus conhecimentos médicos salvou centenas de vidas. Faleceu em 1.856 da mesma doença. Seu túmulo teve de ser construído fora da igreja, por não ser católico e sim, protestante.

Política

A administração municipal localiza-se na sede: Aracati.

Endereço: Rua: Santos Dumont,1146
CEP: 62.800-000
Fone: (88) 3446-2419

Subdivisão

O município tem 8 distritos: Aracati(sede),Barreiras dos Vianas, Cabreiro, Córrego dos Fernandes, Jirau, Mata Fresca e Santa Teresa.

Geografia

  • Clima

Tropical quente semi-árido com pluviometria média de 982,6 mm com chuvas concentradas de janeiro à abril.

  • Hidrografia e recursos hídricos

As principais fontes de água são: Rio Jaguaribe e Palhano, córregos do Retiro, das Aroeiras, São Gonçalo e dos Fernandes.

  • Relevo e solos

As principais elevações são: território a presença de areias Quartzozas distróficas, praias de Canoa Quebrada, Majorlândia, Quixaba e Retiro Grande e principalmente na area que abrange o Pedregal.

  • Vegetação

Vegetação costeira

Economia

A economia conta com sua base na agricultura, no cultivo do caju, côco-da-Bahia, cana-de-açúcar, mandioca, milho e feijão e maricultura, criação de camarões em cativeiro.

Agropecuária: bovino, suíno e avícola. Seus solos são ricos em grande fertilidade natural.

O sal e a extração mineral de argila são outras importantes fontes de renda do município.

Indústrias: 36 (três de perfumaria, sabão e velas, sete de produtos minerais não metálicos, duas de madeira, nove de produtos alimentícios, cinco de vestuário, calçados e artesões de tecidos, couros e peles, três de bebidas, uma gráfica, três extrativas mineral, uma de diversos e duas de serviços de construção).

Outra fonte importante de renda é o turismo, devido as praias como Canoa Quebrada; Majorlândia; Quixaba, etc.

Cultura

Os principais eventos são:

  • Festa da padroeira: Nossa Senhora do Rosário(08.10)
  • Canoarte (julho),
  • Carnaval de Aracati (fevereiro),
  • Festa do Senhor do Bonfim (1 de janeiro),
  • Festa de São Sebastião (20 de janeiro),
  • Festa do Município (25 de outubro),
  • Regata de Jangadas de Majorlândia (outubro),
  • Festival Folclórico-cultural do Baixo-Jaguaribe (janeiro).


Baião de Aracati:

 

Dados Gerais Atualizados:

CEP: 62800-000

Distância de Fortaleza: 148,3 km

Tempo estimado de viagem: 2 h 7 min

Vias de acesso: CE- 040/ BR- 304

Região administrativa: 9

Localização: microrregião do Litoral de Aracati

Municípios limítrofes: Beberibe, Fortim, Icapuí, Itaiçaba, Jaguaruana, Palhano ( e Rio Grande do Norte)

 

Geografia:

Área: 1.338,74 km²

Latitude: 5° 31′ 15”

Longitude: 38° 16′ 18”

Clima: Tropical quente semi- árido com chuvas de fevereiro a abril

Relevo: Chapada do Apodi, Planície Fluvial e Depressões sertanejas

Vegetação: Caatinga arbustiva aberta, Caatinga arbustiva densa, Floresta caducifólia espinhosa e Floresta mista dicotillo- palmácea

Precipitação pluviométrica: 834,8 mm ( média histórica)

Recursos hídricos ( 2007): açudes Castanhão e Taborda ( Médio/ Baixo Jaguaribe), Eixo de integração Castanhão/ RMF/ Trecho I ( Açude Castanhão) e 82 poços

 

Demografia:

População estimada ( 2007): 66.049

População ( 2000): 61.187

População Urbana (2000): 39.179

População Rural (2000): 22.008

Densidade Demografia ( 2000): 49,78 hab/ km²

Taxa de urbanização ( 2000): 64,03%

 

Economia:

PIB ( 2005): R$ 367.481.000

Agropecuária: 12,08%

Indústria: 29,08%

Serviços: 58,83%

Receita Orçamentária ( 2007): R$ 59.823.300,47

 

Educação:

Taxa de alfabetização (2000): 73,4%

Taxa de alfabetização no ensino fundamental ( 2007 ): 90,3%

Taxa de alfabetização no ensino médio ( 2007): 70,2%

 

Política:

Eleitores ( 2006): 45.415

Perfil dos eleitores ( 2006):

Masculino: 21.755

Feminino: 23.554

Não informado: 106

Veja Também:

Um Comentário
  1. Saudade de minha terra natal, tenho fé de um dia retornar e rever onde cresci e me criei. Terra abençoada por Deus e Nossa Senhora do Rosário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *